Pos Graduação Stricto Sensu em Saúde Coletiva

Desde a sua criação em 1989, o atual Instituto de Estudos em Saúde Coletiva (IESC), antigo NESC, vem passando por um processo de amadurecimento institucional, no qual se destacam a qualificação do seu corpo docente e técnico, assim como a expansão de suas linhas de pesquisa. Como fruto deste processo, foi criado, em 1997, o Curso de Pós-Graduação stricto sensu em Saúde Coletiva, em nível de Mestrado. No ano de 2008 foi aprovado o Curso de Doutorado com início da primeira turma em 2009.

Ao iniciar, em 1997, a 1ª turma era composta por 6 alunos selecionados em duas áreas de concentração: Epidemiologia e Produção/Ambiente e Saúde. Em 1998, ocorreu a incorporação de uma nova área de concentração, a de Representação e Práticas Sociais em Saúde e em 1999, desenvolveram-se então duas novas áreas de concentração: Bioestatística e Políticas, Planejamento e Programação da Saúde. Busca-se a definição adequada das Linhas de Pesquisas, não só visando responder às exigências da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), quanto à coerência e consistência da proposta do nosso Programa (vinculação dos projetos às linhas e características do corpo docente; adequação curricular), mas sobretudo nossa própria vocação e capacidade de formar profissionais críticos e formuladores de políticas públicas, em especial as da Saúde, instrumentados para esta missão, produzindo pesquisas capazes de transformar a realidade da Saúde Coletiva em nosso estado e país, e capazes de manusear os mais modernos instrumentos para tal finalidade, às novas gerações de profissionais e pesquisadores.

É neste momento que as áreas de Epidemiologia e Bioestatística se unem, reformulando a perspectiva anterior, no sentido não só de caminhar de encontro a uma Epidemiologia Crítica, porém também competente no conhecimento de metodologias e instrumentos que capacitassem a área para trabalhar com os objetos da clínica e de outros campos do saber da área médica. É neste momento também que se configura a sub-área de Ciências Humanas e Saúde, até então representada apenas pela linha de pesquisas Representações e Práticas Sociais em Saúde, passando a incorporar além das Representações Sociais e Saúde, as de Fundamentos Teórico-Conceituais em Saúde, História e Saúde e Comportamento Alimentar, Subjetividade e Sociedade.

Atualmente, o Programa é estruturado em uma área de concentração (Saúde Coletiva) e nove linhas de pesquisas, a saber: Indicadores de Exposição e Efeitos dos Poluentes Ambientais e Ocupacionais; Saúde Mental e Violências; Desenvolvimento de Métodos Estatísticos, Epidemiológicos e Computacionais em Saúde; Tendências e Determinantes das Doenças Transmissíveis; Tendências e Determinantes das Doenças Não-Transmissíveis; Epidemiologia e Políticas de Saúde; História, Representações e Fundamentos Conceituais em Saúde; Abordagens Sociológicas dos Processos Saúde-Doença; Políticas e Economia da Saúde.

Os docentes do Programa são pesquisadores que mostram claro compromisso e capacidade de produção de conhecimento original, de desenvolver novas tecnologias de avaliação de serviços e de riscos ambientais; de contribuir para o desenvolvimento de métodos de investigação e análise de dados de saúde tanto no campo das ciências humanas e sociais como da epidemiologia e estatística. Busca-se articular o conhecimento prático, a produção de técnicas e de ciência, juntamente com a reflexão filosófica, que se situa nossa pós-graduação, articulando com os movimentos sociais, e a produção de serviços, especialmente das secretarias de estado e municipais de saúde e o Ministério da Saúde, a realização de pesquisas seja por demanda social ou a partir da indagação acadêmica, e o ensino. Ressalta-se também que o IESC oferece disciplinas para diversos cursos de graduação na área da saúde e vários alunos desses cursos participam de projetos de pesquisa desenvolvidos pela Unidade como estagiários de iniciação científica e já compõem parcela significativa da demanda dos nossos cursos de pós-graduação.